terça-feira, 7 de agosto de 2012

Vídeo: Reportagem do Fantástico sobre homofobia mostra gay afirmando que pai fez oração para Deus mata-lo. Assista na íntegra

Neste domingo, 05 de agosto de 2012, o Fantástico exibiu uma reportagem sobre homofobia que gerou bastante polêmica. O foco da reportagem foi sobre violência contra gays principalmente vindas da família.
Antes da reportagem sobre, o Fantástico exibiu uma matéria sobre cirurgia de trocas de sexo onde apresentaram diversos gays que fizeram a cirurgia e afirmaram terem sofrido bullying e preconceito por serem gays. O psiquiátra Miguel Chalub que afirmou que os homossexuais dizem que são “um erro de Deus: me deu um corpo de homem, mas minha cabeça, me alma, minha motivação, maneira de ser, é tudo de mulher”.
Utilizando-se de dados do relatório da Secretaria Nacional dos Direitos Humanos de 2011 e dos depoimentos dados em um telefone disponibilizado pela Rede Globo para ouvir relatos de homossexuais, o Fantástico exibiu a pequena reportagem de menos de 5 minutos sobre homofobia afirmando ter gravado cerca 50 relatos em 24 horas. Em um dos relatos um gay afirmou que “durante três ou quatro anos foram violências constantes. Surras, meu pai me jogava no chão e batia com os dois pés em cima de mim”, segundo ele “meu pai falava que ia orar para Deus me matar, para Deus me levar porque ele não queria ter filho homossexual”.
Embora reportagem fosse sobre homofobia na família, nem todos os relatos apresentados tinha agressões físicas, algumas eram apenas sobre pais não aceitavam que os filhos fossem homossexuais.“Eu vejo meus primos crescendo, meus primos levando as suas respectivas namoradas pra um encontro de família e eu não poder levar a minha”, disse uma lésbica.
Segundo os dados do relatório da Secretaria Nacional dos Direitos Humanos a maioria das agressões são das mães. De acordo com Edith Modesto, presidente do Grupo de Pais de Homossexuais, “um deles [homossexuais] me falou e eu nunca mais me esqueci. Ele falou ‘Edith, para o meu maior amigo eu já contei, porque se eu perder o meu amigo, eu posso arrumar outro. Mas se a mãe não me quiser mais, como eu vou fazer?’”, conta Edith.
Na internet diversos homossexuais reclamaram o tempo da matéria exibida pelo Fantástico, enquanto cristãos faziam comentários contra a homofobia e a “cristofobia”. Outras pessoas relataram a reação dos próprios pais sobre a reportagem ou faziam piadas sobre ela ter sido introduzida pelo apresentador Zeca Camargo e por também ser o aniversário de 4 anos da banda Restart.

Vídeo: assista a reportagem do Fantástico sobre homofobia na íntegra

Nenhum comentário:

Postar um comentário